PRP e PRF

PRP e PRF

A utilização de PRP e PRF na Odontologia O Plasma Rico em Plaquetas (PRP) é utilizado há cerca de 20 anos com o objetivo de acelerar a cicatrização e a regeneração óssea resultantes de procedimentos cirúrgicos. O plasma é obtido através da centrifugação do sangue e resulta em uma alta concentração de plaquetas em um reduzido volume plasmático. Os fatores de crescimento que compõe essa substância atuam como moléculas de adesão celular nos processos de migração epitelial, osteoindução e na formação de matriz óssea no tecido conjuntivo. A coleta do sangue geralmente é retirada do próprio paciente.

O professor e doutor em Implantodontia, Marco Pontual, explica a importância do procedimento autólogo. “Devido ao risco de rejeição ou à impossibilidade de secreção de fatores de crescimento ativo, o material coletado deve ser sempre do próprio paciente. A manipulação do sangue durante a centrifugação deve ser realizada de forma cuidadosa, na rotação adequada, para assegurar a separação das células plaquetárias umas das outras e para evitar ruptura ou danos à sua membrana”. Fonte de fatores de crescimento, o PRP é o mais utilizado em enxertos ósseos, pois oferece as duas principais substâncias envolvidas no reparo desse tipo de tecido: PDGF e TGFβ. Por isso, seu uso na Odontologia é direcionado especialmente em situações que apresentam menores chances de sucesso em enxertos ósseos, osseointegração, cirurgias periodontais e maxilofaciais. Os casos tratados possuem cicatrização mais rápida da mucosa e do enxerto e aceleração da regeneração óssea nas regiões de implantes.

Plasma Rico em Fibrina

O Plasma Rico em Fibrina (PRF) é um subproduto da obtenção do Plasma Rico em Plaquetas. De acordo com Aziz Constantino, professor e mestre em Odontologia, o PRF foi desenvolvido para aumentar a velocidade da reparação em enxertos ósseos e tecidos moles. “Através da mudança de parâmetros no processo de decantação do plasma, conseguiu-se o enriquecimento na quantidade de fibrina. Essa experiência gerou um grande e reprodutível aumento na velocidade e na intensidade da vascularização dos tecidos, resultando no aprimoramento dos resultados reconstrutivos”.

Por conta das propriedades hemostáticas, adesivas e cicatrizantes do plasma de fibrina, seu uso tornou-se decorrente em cirurgias torácicas, cardiovasculares, neurológicas, oftálmicas, reconstrutivas e odontológicas. “A função do Plasma Rico em Fibrina é promover essencialmente a adesividade entre tecidos, permitindo então que o processo de regeneração seja acelerado. Sendo assim, o seu uso é excelente para a regeneração dos tecidos moles”, diz Pontual. O Plasma Rico em Fibrina e o Plasma Rico em Plaquetas podem ser usados tanto isoladamente como em associação em uma mesma cirurgia. “Alguns profissionais indicam usar o PRP misturado ao material de enxertia óssea aplicado no local da cirurgia e, depois, utilizar o PRF sobre as suturas para conduzir e manter melhor os tecidos incisados em uma íntima união”, finaliza Pontual.

Nós na ODONTOCOSTA utilizamos rotineiramente a técnica em nossas cirurgias , em diferentes situações .